Protestos na Bolívia deixam pelo menos 5 mortos


Grupo de cocaleiros pró-Evo Morales entraram em confronto com policiais em Cochabamba, cidade no centro da Bolívia. Em meio a atos favoráveis ao ex-presidente, os apoiadores tentaram atravessar 1 bloqueio criado pelos policiais.


Os indígenas, então, forçaram a entrada. O confronto deixou 5 mortos, 26 feridos e 169 presos. Os dados são da Defensoria Pública da Bolívia.

Testemunhas afirmam que os policiais atiraram nas vítimas. O representante da Defensoria do Povo de Cochabamba, Nelson Cox, solicitou a abertura de investigação.

O comandante da polícia local, coronel Jaime Zurita, acusou os manifestantes de “carregarem armas, espingardas, bombas molotov, bazucas caseiras e artefatos explosivos”.

A crise no país sul-americano começou depois de resultados fraudados no 1º turno das eleições, realizadas em 20 de outubro. Desde a data, 10 pessoas já morreram. Com as mortes registradas no confronto da 6ª feira (15.nov), já são 20 mortos.

Outro grupo pró-Evo organizou atos pacíficos no centro de La Paz, capital boliviana. Os policiais tentaram dispersar os manifestantes com gás lacrimogênio. Pessoas chegaram a desmaiar.

A CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos) divulgou comunicado em que critica o “uso desproporcional da força policial e militar” na região. Disse ainda que “armas de fogo devem ser excluídas dos dispositivos utilizados para controlar protestos sociais”.