Luciano Huck após defender o parlamentarismo, agora quer de volta as famigeradas doações privadas


O possível pré-candidato à Presidência da República em 2022 e apresentador Luciano Huck em evento nesta sexta-feira (25) em São Paulo, defendeu a volta de doações de empresas para o financiamento de campanhas, disse apoiar o voto distrital e e novamente disse que tem simpatia pelo parlamentarismo

"Acho que a gente tem que rever doações. Com critérios, mas não pode ser única e exclusivamente um fundo público que vá sustentar os partidos e as eleições"


"Você limitar o financiamento político-partidário e eleitoral só a um fundo público, no montante que ele está hoje, gerido e administrado por quem está dentro dele, eu não acho que seja o sistema mais eficiente e democrático, "disse huck

 As doações privadas foram proibidas em 2015, um dos fortes motivos era que as empresas faziam acordos ilegais com os candidatos, aonde financiavam suas campanhas e depois teriam a preferência em licitações, obras e fornecimento de produtos e serviços, além de causar uma desigualdade muito grande entre as campanhas. Analistas políticos, especialistas em cimes políticos e criminalistas vêem como um RETROCESSO a volta de doação de empresas a políticos.


Huck ainda falou sobre a audiência pública do STF que decidirá sobre as campanhas independentes, aonde candidatos poderiam se candidatar mesmo sem partidos.


"Não sei se candidaturas independentes, neste momento, com mais de 30 partidos, iriam contribuir."


Luciano defendeu uma reforma política ampla, para instituir o sistema de voto distrital puro ou misto e fortalecer os partidos.

e disse:

"Para que [as legendas] sejam em menor número, para que não sejam plataformas fisiológicas de venda de tempo na televisão, ou de pura e simplesmente negociações políticas"

e continuou...

"O parlamentarismo, analisou, também poderia ser um modelo viável no Brasil, para aperfeiçoar "a relação do Poder Executivo com o Legislativo e com sociedade como um todo".


Huck evitou comentar o governo Jair Bolsonaro (PSL),  mas cutucou...

"Os eleitores em 2018 depositaram muita esperança em um salvador da pátria, e agora estamos pagando caro por isso."

Criticou promessas exageradas e que jamais serão cumpridas

"Ele fez promessas exageradas que jamais vai cumprir no último ciclo eleitoral."

Sobre a possibilidade de volta das manifestações de rua no Brasil ele disse que:

"O risco imediato é baixo, mas há possibilidade de protestos a longo prazo se a vida não melhorar."

Luciano disse que Lula é verdadeiramente amado no Nordeste, disse que é justificável haja visto tudo que o PT fez pelos estados do nordeste e pelo povo nordestino, mas lembra dona Ruth Cardoso que foi a prioneira nas melhorias de vida do nordestino, segundo o apresentador.

Sobre sua possível candidatura a presidente Huck disse:

"Estou me colocando como um cidadão ativo. Entrar nesse ringue agora do debate personificado eu acho, de verdade, que não contribui.", 

declarou, cobrando um foco maior sobre a solução dos problemas mais imediatos do país no lugar da especulação eleitoral.

Huck falou que após declaração de Bolsonaro e filhos vem sendo atacado nas redes sociais..

"Eu estou sendo atacado ferozmente nas redes nesses últimos três meses", relatou.

 "A temperatura nas redes sociais no Brasil hoje não é a das ruas, mesmo. E esse é um problema que a gente vai ter que enfrentar."

sobre ideologia a declaração de Huck pode ser entendida como de CENTRO

"Concordo com teses liberais, mas acredito ser necessário dar atenção a políticas sociais e reduzir a desigualdade."

e continuou...

"O mundo hoje está todo muito assimétrico. O que a ONU imaginou que seria o equilíbrio não aconteceu, o que o marxismo pensou não deu certo, o que o liberalismo pensou não deu certo. Acho muito injusto deixar a classe política sozinha tentando resolver o problema da sociedade como um todo".

Muitos acham que Luciano pode ser o candidato dos partidos de CENTRO e que Bolsonaro e PT continuarão nos extremos. Especialistas apotam Luciano Huck com mais chances do que Dória ou qualquer outro candidato para enfrentar Bolsonaro e PT. Quem viver verá, será?