Ministério da Justiça vai apurar possível falta de seringas para vacinação


A Secretaria Nacional do Consumidor, vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, vai participar de processo que analisa possível falta de seringas para a vacina contra a covid-19 no país.O trabalho será feito pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, que expediu notificações às empresas Injex Indústrias Cirúrgicas, BD Brasil e Saldanha Rodrigues LTDA. O processo vai apurar o andamento da produção e comercialização das seringas e agulhas.A medida foi tomada depois de “noticias de aumento nos preços” dos materiais, o que pode causar um desabastecimento no mercado. “A Senacon decidiu analisar se há risco de os consumidores finais ficarem sem acesso aos produtos, ou de que os preços venham a subir significativamente, em prejuízo à sua saúde, segurança e interesses econômicos”, afirmou.As empresas terão 10 dias para apresentarem resposta, a contar do recebimento da notificação.Segundo o diretor do Departamento de proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça, Pedro Aurélio da Silva, a ação contribuiu com a análise que está sendo realizada pelo Ministério da Economia.