CNJ reduz de R$ 89 bilhões para R$ 39,9 bilhões gastos com precatórios em 2022


Já está pronta a minuta de resolução para solucionar o rombo de R$ 89 bilhões provocado pelos precatórios no Orçamento da União de 2022. Elaborado pelo ministro Bruno Dantas, vice-presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), o documento deve ser assinado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) nos próximos dias e contornar o risco de o governo de não conseguir os recursos necessários para lançar o novo Bolsa Família em ano eleitoral.

O Poder360 teve acesso de maneira reservada à minuta. Se for de fato adotada pelo CNJ, essa solução permitirá ao governo R$ 39,9 bilhões em dívidas judiciais ao longo de 2022. Trata-se do valor corrigido dos precatórios pagos pela União em 2016, ano em que foi inserido na Constituição o teto de gastos. O restante –R$ 49,1 bilhões– terá pagamento previsto apenas para 2023.